terça-feira, 19 de outubro de 2010

FERNANDO MARTINS 2 - CA CMRRC TOCHA 0

Em 15 de Outubro de 2010 o Tribunal Administrativo do Norte pronunciou-se, sobre o recurso interposto pelo Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro, do seguinte modo:

.... "Está provado que o recorrrido foi requisitado ao seu serviço de origem para exercer funções de Director do Serviço de Reabilitação do recorrente, tendo sido nomeado para esta funções pelo Conselho de Administração do recorrente."....


.... "Como já se viu, o recorrido foi chamado a prestar funções no recorrente para efeitos de assegurar, não só o seu funcionamento normal, mas sobretudo para assegurar o desenvolvimento do Centro com a utilização de novos pavilhões...."


... "E portanto, se a cessação das sua funções poderia ocorrer naquelas condições, naturalmente que o acto administrativo que decide não prorrogar a sua requisição, atrás referido, foi praticado no desrespeito do dever de audiência prévia e com falta de fundamentação, tal como se decidiu no acórdão recorrido"...


... "Por tudo que fica exposto, acordam os juízes que compõem este TCA Norte em negar provimento ao recurso e, em consequência, manter a decisão recorrida."

À segunda é de vez??? O Conselho de Administração do Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro foi notificado pela segunda vez, por um Tribunal Administrativo, de que procedeu de modo irregular quando interrompeu a minha comissão de serviço.
Foram assim notificados de que actuaram à margem da lei e quiseram, quiçá, sobrepor-se a ela. Quem sabe, irão interpor recurso para o Supremo Tribunal Administrativo, mesmo que os factos em apreciação sejam inequívocos e inalteráveis.
Convictos da sua impunidade, são capazes de o fazer, gastando assim o dinheiro que os contribuintes lhe disponibilizam para desempenhar uma outra missão. Incapazes que são de reconhecer o erro e a culpa, irão de derrota em derrota até à derrota final, mostrando progressivamente quão pouco preparados estariam (eventualmente) para desempenhar a missão que lhes foi confiada.
Espera-se também que as tutelas actuem à medida da sua responsabilidade e exijam aos seus tutelados, que assumam as consequências dos seus actos.

1 comentário:

  1. Imagino a sua indignação .Como é possivel um Centro Publico ser gerido por pessoas que não tem o minimo de competencias ,nem para gerir uma junta ou mercearia .Se fizessem uma avaliação de conhecimentos minimos de gestão a administradores...meu Deus a surpresa que era ...não dá para acreditar a falta de conhecimetos ,alguns mesmo basicos de quase cultura geral..outros o pelouro é passear pela manha visitando as "quintas" ....o unico que realmente poderia e talvez quizesse trabalhar teve que entrar no esquema pois sem ovos não se faz omoletes e neste caso nem uma gemada!!!...Havia muito mais para dizer desta fraca gestão ...volto daqui a 1 semana ...um conselho não renomeiem este conselho ...fazem um favor ao Centro ...integrem -no num hospital com gestão mais profissional ,pois não é dificil ,,pior que agora não deve ficar ...

    ResponderEliminar

Seguidores

National Geographic Photos