sexta-feira, 6 de novembro de 2009

QUO VADIS CENTRO HOSPITALAR DE COIMBRA

Sou médico no CHC desde 1989 e estive ausente (em serviço) durante dois anos. Regressei em Março de 2009 e senti que havia mudanças (que não qualifico).

Reiniciei as minhas funções clínicas e fui observando a instituição por dentro.

Recentemente assistimos a alguma agitação com o fim do mandato do Presidente do Conselho de Administração, esperando dias melhores para todos (instituição, trabalhadores e utentes). Assistimos depois à publicação despudorada nos jornais locais, de artigos de auto-promoção do trabalho efectuado pela anterior CA. A acreditar naquilo que se leu diríamos que o CHC era o céu na terra. Se aquele mandato foi tão bom, que necessidade havia de procurar a glória nos jornais? Será porque mais ninguém lhe reconheceu o trabalho realizado? As obras falam habitualmente por si, sem necessidade de alarido como aquele que vimos. No entanto o referido alarido teve a vantagem de fazer analisar os documentos internos produzidos por aquele CA, a realidade vivida e as consequências de tudo isto na vida da instituição, na expectativa de um futuro melhor.

Começando pelo fim, custa-me a perceber como é possível alguém vangloriar-se de ter deixado uma instituição com um passivo acumulado nos últimos dois anos de cerca de 15 milhões de euros. Aquilo que normalmente seria um processo de gestão danosa, assume-se agora com um acto de boa gestão.

Vejamos como aqui chegaram aqueles senhores e senhoras.

Quando em 2006 publicaram o plano estratégico 2006-2010 nele incluiram aquilo que já estava em execução, nada tendo pois de estratégico (ou então alguém me vai explicar qual o significado de Plano Estratégico); estamos a falar da reinstalação do Serviço de Neurologia, do Serviço de Urgência, do projecto (já em curso à data) da requalificação do Sector das Consultas Externas, na instalação do PACS...

Aquilo que era de facto estratégico continua por executar ou até deixou da fazer parte da estratégia da instituição, como é o caso do "Investimento na criação de uma unidade de convalescença/hotel para doentes" ou do "Investimento na construção e apetrechamento de um novo edifício destinado a instalar as unidade de internamento do hospital e a área logística do CHC".

Mas todo este processo é a consequência lógica de um vício inicial na elaboração do Plano Estratégico, que foi a análise SWAT então efectuada. Assim colocámos o bisturi do cirurgião nas mãos do homicida.

Vendo o que se escreveu naquela análise SWAT:
- O envelhecimento da população foi classificado na análise externa como uma ameaça, quando deveria ter sido valorizado como uma oportunidade de negócio;

- A mudança de estatuto jurídico foi encarada como uma oportunidade, quando ela representava apenas a disponibilização de um novo instrumento de trabalho e não oportunidades reais para o negócio;

- Quanto à análise interna continuaram a exacerbar a importância da equipa de gestão como se a sua motivação, fosse o elan fundamental para a equipas de trabalho; esqueceram-se que é necesária uma linha de produção também motivada (acima de tduo);

- Foi também referido como ponto forte a existência de "serviços de excelência..." criando um apartheid institucional como se fosse mais importante a colocação de um implante coclear do que a execução de um boa cirurgia por hérnia inguinal; confunde-se tecnologia com excelência na prestação de serviços (o que é de facto um dos pontos fortes da instituição), confunde-se procedimento com o processo;

- Não foi aqui referida nos pontos fortes, a elevada qualidade técnica e o humanismo dos serviços prestados à população pela maioria dos técnicos nas restantes áreas (que por acaso constituem os sectores de negócio de maior facturação institucional e que maior credibilidade conquistaram nos seus clientes);

- Nos pontos fortes a aproveitar, insistiu-se na equipa de gestão, nos ditos serviços de excelência, na modernidade de alguns serviços, como se estes fossem de facto as áreas de trabalho responsáveis pela produção de mais valias capazes de assegurar a sobrevivância financeira da insituição;

- Como pontos fracos foram referidos problemas das instalações, problemas organizacionais e a falta uma política de qualidade (apesar disso havia serviços de excelência!!);

- Para além da implementação da cirurgia de ambulatório só se propunham mudanças organizacionais (cujo resultado está à vista).

Em resumo, da leitura desta análise não se conclui qual é o negócio da instituição, quais são as vacas leiteiras, quais são as estrelas e quais são os cães (se existem) Qual poderá ser o nosso negócio na perspectiva do desenvolvimento sustentado da instituição. Qual é mais valia desta instituição no contexto das unidades de saúde da área geográfica em que se insere?

O resultado de uma análise SWAT com pressupostos errados é um diagnóstico e uma terapêutica errados.

Aquele CA viveu como uma família feudal: com custos não suportados pela sua capacidade de produção e a sonhar em continuar a endividar-se. Os cortes foram efectuados em equipamentos básicos necessários para assegurar o trabalho normal: faltam computadores e impressoras nos serviços para promover o processo digital, entre outros. No entanto há o sonho de criar novas áreas de produção (consumidoras de recursos) sem garantir o funcionamento daquelas que são o normal sustento financeiro institucional.

Continuamos a exibir os aneis quando é preciso começar a pensar em colocá-los no prego para salvar os dedos, antes de ficar sem dedos nem aneis.

Ne Relatório de 2008 eram apontadas como políticas de desenvolvimento para 2009:

"Construção e apetrechamento do centro de cirurgia do ambulatório, prevendo-se a sua entrada em funcionamento em 2010;"
" Elaboração de projecto e apresentação de candidatura para a criação de uma unidade orgânica de audição e fala, que se pretende constitua um cent ro de elevada diferenciação, conforme estabelecido em sede de Plano Estratégico. De notar que o serviço de ORL efectua 91% dos implantes cocleares realizados nos hospitais do SNS;"
"Criação de um centro de procriação medicamente assistida, condicionado à aprovação da tutela."
Alguém faz descer este senhores à terra e lhes pergunta como é que pensavam manter a produção que assegura o financiamento da instituição, como pensavam pagar o défice acumulado em 2007 e 2008 e ainda se propunham investir em negócios de risco? Alguém continua no país das maravilhas e não se chama Alice.

A aceitar a proposta do Ex-Presidente do CA de continuidade da equipa que o acompanhou é caso para perguntar "QUO VADIS CHC?".

71 comentários:

  1. Como eu o entendo em tudo aquilo que escreveu...
    De facto é exactamente como refere, como é possivel que estas pessoas sejam reconduzidas nos cargos que desempenham e até promovidas, como se fala no CHC.
    Muito preocupante é também o facto de que há nomes de "candidatos" que actualmente desempenham funções de gestão e que nessas funções têm-se revelado um desastre, mas tal como refere "publicitam" outra coisa completamente diferente da realidade, basta de premiar a incompetência.
    O CHC precisa de projectos ambiciosos, que não cedam a lóbis (politicos ou outros) e que tirem a instituição deste pantano que tem vindo a atravessar.
    Existe outro facto que me preocupa, é que a caracteristica que distinguia o CHC das demais intituições, o "humanismo" dos cuidados que prestava e o bom relacionamento entre os seus profissionais está a perder-se.
    Havendo mesmo casos de atropelos entre os diversos orgão institucionais graves.
    Espero que o CHC rumo para bom porto e que coloquem as pessoas correctas nos lugares correctos, mas por favor nenhum dos que actualmente desempenham funções no conselho de administração ou direcção clinica.

    ResponderEliminar
  2. descontente disse... Quem sofre as contrariedades neste hospital diariamente sabe quão importante é haver pessoas que ainda se preocupam com o futura desta Instituição.Por isso saudo quem consegue ter voz e perguntar "QUO VADIS CHC?".
    O maior erro que se está a cometer é não defenir ( e não é só de agora)qual a vocação do CHC.
    è uma vocação que serve de trampolim a meia duzia de pessoas para outros cargos, politicos ou não?
    Ainda há muitos funcionarios do CHC que apostam na Instituição, que não se importam em ter dores de cabeça apenas porque pensam diferente - o que é um risco consideravel nos dias que correm.
    A situação presente do CHC é no minimo bizarra.tem um conselho de administração sem presidente!!!!!!!!!!!!!que validade têm as suas decisoes? e a tutela o que anda a fazer que permite esta promiscuidade?
    Bailundo não estamos no pais das maravilhas.
    estamos no pais do faz de conta, mas os doentes que recorrem a este hospital têm doenças a sério e o dinheiro que aqui se gasta mal sai do bolso dos portugueses sob a forma de impostos que todos somos obrigados a pagar.isto não é uma maravilha É UMA TRAGÉDIA.
    Esperemos que haja bom senso na escolha da proximo Conselho de Administração, porque os funcionarios, sejam eles médicos ,enfermeiros,auxiliares e até alguns adinistradores terão capacidade de colocar esta Instituição no lugar que lhe é merecido e sem favores.

    7 de Novembro de 2009 12:43

    ResponderEliminar
  3. Estou no CHc há quase 30 anos.
    Por mim já passaram varias administraçoes e respectivos conselhos.
    Repetidamente ouviam-se vozes sobre a sobrevivencia do CHC e sempre foi ficando. Sem estrategia, sem rumo. sempre com remendos.
    O que mais parece preocupar a actual equipa são aquilo que eu chamo de adornos.
    iniciou-se um processo de creditação sem duvida muito importante para qualquer hospital. melhorou-se a qualidade da hotelaria? melhorou-se a comunicação entre os varios grupos profissionais? melhorou-se as condiçoes de trabalho de médicos ou enfermeiros?
    NAO! a preocupação foi a da imagem...E por isso que há entrevistas nos jornais, que houve mudança do logotipo ( que mudou 3 ou 4 vezes em 5 anos- imaginem a despesa...)houve a publicação de um codigo de ética, sem auscultação dos funcionarios e em que se baralha a ética com a legalidade!
    Há gente válida no CHC que apesar de trabalhar em má condiçoes trata os doentes com Humanidade e com sucesso. Que não baixa os braços perante as adversidades. Que tem orgulho na Instituição.

    Espero que quem vier a tomar nas suas maos o destino do CHC saiba lhe dar o valor .

    ResponderEliminar
  4. Não conheço a realidade do CHC. No entanto, manifestei interesse em saber algo mais, por ter ouvido más referências numa conversa paralela de café.
    É necessário melhorar os serviços de saúde e dar aos seus profissionais condições de trabalho de excelência. Mas não será também, que alguns dos seus profissionais, também abusam das prerrogativas de serem médicos?
    Acho que sim. Há muita coisa a mudar.

    ResponderEliminar
  5. Não me compete a mim defender os médicos, até porque alguns abusam mesmo das prerrogativas que ao longo dos anos lhes foram concedidas. No entanto abusadores existem em todos os sectores da vida pública e talvez os médicos tenham apenas mais exposição pública, o que pode fazer pensar que abusam mais do que os outros.
    Quanto às condições trabalho, importa lembrar que estas não são condições de conforto mas sim condições técnicas de segurança que podem garantir (ou não) a qualidade final do trabalho realizado.

    ResponderEliminar
  6. Com muito gosto vi as palavras aqui proferidas, pois ilustram bem o marasmo que tem assolado o CHC: Falta de ideias, dificuldade em fazer aplicar as poucas directivas emanadas, dificuldade em acompanhar (para não dizer superar) as outras instituições equiparadas.
    Tal como já foi referido há aspectos positivos que se estão a perder e nada de novo é feito.
    Isto é... muitas obras são feitas no CHC, mas falta planeamento, não me refiro a planeamento momentaneo mas sim o que se pretende a longo prazo, o que se pretende fazer com o espaço fisico e com o dinheiro de todos nós.
    Está a construir-se um Portugal dos pequenitos 2, mas de péssimo gosto, está a esgotar-se as multiplas possibilidades de crescimento de uma institição que pode ser diferente...para melhor.
    Implementaram-se medidas, como por exemplo o registo de ponto biométrico. Para controlar quem? ou o quê? Os profissionais que já cumpriam?
    Ou era importante uma solução uniforme ou não me parece prioritário investir numa solução que não tem nada de novo, pois até as folhas de ponto ainda se mantêm... e há profissionais que pura e simplesmente não utilizam a biometria e...pronto.
    Penso que faz falta ao CHC uma administração nova, jovem, com ideias concretas e solidificadas para dar a volta a esta instituição.
    Há pessoas (profissionais) que é necessário mudar, mas há muito bons profissionais na instituição e muitos dos quais mal aproveitados e alguns até estão identificados naquilo em que se destinguem com reconhecimento externo ao CHC, mas que a instituição teima em não aproveitar.
    Já vimos que esta administração não sabe ou não quer fazer nada disto, e isto na minha opinião tem um nome, incompetência, por isso não servem.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  9. Gostaria de dar uma replica ao 4º anonimo...
    claro que há medicos com prerrogativas! a sociedade portuguesa em que vivemos está cheia de prerrogativas e irresponsabilidades a todos so niveis. porque haveriam os médicos de estar imunes?
    Mas para que uns tenham essas prerrogativas, virem as costas aos problemas e o sistema possa continuar a funcionar8 ainda que mal), terá que haver outros que não têm qualquer reconhecimento do seu empenho e que não gozam de qualquer prerrogativa.
    Lamento que a situação do CHC provoque "más referencias em mesas de café". provavelmente serão os srs doutors com prerrogativas que saiem cedo demais do hospital. sempre é mais agradavel estar numa tertulia á mesa do café do que estar estafado a trabalhar no hospital.

    ResponderEliminar
  10. Texto enviado por AF ao qual foi introduzida uma moderação pontual
    Sou médico no CHC há 20 anos.
    Antes de mais, cumprimentos a todos os "colaboradores" do CHC, é com muito gosto que vi este Blog pois demonstra uma preocupação com o rumo da instituição.
    Um aspecto que me tem incomodado é a degradação do serviço de Urgência do Hospital Geral. Este era um serviço de referência dentro da instituição e fora dela. Durante muitos anos fomos habituados a grandes e novos projecto no Serviço de Urgência, a uma realidade que funcionava a um ritmo acima da restante instituição.
    Então começa a história...só possível no CHC.
    O ex Director do Serviço de Urgência (Dr José Manuel Almeida), que saiu por opção e porque houve uma empresa privada que o reconheceu e o contratou em interesse próprio. Já agora, todos sabem que o que se disse relativamente a este Sr e ao seu Enf Chefe é mentira, refiro-me a terem burlado o CHC. Todos sabem que o Heliporto foi requalificado com fundos que foram doados ao Serviço de Urgência, que outros (direcção clínica) queriam aproveitar para outros fins e que estes Srs bateram o pé e em boa hora requalificaram o heliporto do CHC no único certificado nas 24h. Tudo isto foi feito com conhecimento da administração, e todo o processo decorreu com transparência, inclusive foi a empresa que fez a doação dos fundos que pagou directamente à empresa que executou a obra para que não houvesse duvidas.
    Outro facto, que talvez não saibam, é que se disse que houve equipamentos “desviados” do Serviço de Urgência. A nova direcção do Serviço de Urgência exigiu que o ex Enfermeiro Chefe lhes passasse o serviço e seus equipamentos segundo uma lista recentemente elaborada e publicada em diário da república, aquando do concurso para equipar o SU e para surpresa de todos, ou talvez não, nada faltava, Inclusive havia equipamentos que não constavam da lista e que estavam no SU, por exemplo um projector multimédia e outros equipamentos. Isto só para dizer que se fossem pessoas desonestas isto não se tinha processado desta forma.
    Com a saída do director, houve a necessidade de nomear o seu substituto. Então a administração, habilidosa, nomeou uma pessoa que estava a dar muitos problemas no serviço onde desempenhava funções e empurrou-a para o serviço de Urgência e assim resolveu dois problemas. Um de satisfazer o director e equipa médica do Serviço de Neurocirurgia, que já não suportavam essa pessoa e arranjou uma directora para o Serviço de Urgência.
    Ora uma pessoa problemática, não se corrige pelo simples facto de mudar de serviço ou de funções. Então, começaram os problemas no serviço de urgência, VMER etc.
    Em primeiro era necessário afastar o enfermeiro chefe do Serviço de Urgência e após vários problemas (forjados) lá se conseguiu.
    Depois com o caminho livre convida-se alguém que mantenha este compadrio e para surpresa foi nomeado um enfermeiro chefe que é nem mais nem menos de que o enfermeiro chefe do serviço de Neurocirurgia… serviço de origem da Directora…
    Mas, como no serviço de urgência ainda havia enfermeiros que talvez dificultassem o que se pretendia fazer ao serviço de urgência e que poderiam denunciar a "in...... " destes Srs, há que afastar esses profissionais, ainda que sejam bons profissionais, pois isso pouco importa para a questão. É que há quem pense que ter profissionais com experiências ou recém formados é a mesma coisa… . É que nunca o foi.
    (continua)

    ResponderEliminar
  11. Texto enviado por AF com ligeira moderação.

    (continuação)
    Foi então que o Sr Enfermeiro Chefe recém nomeado, elaborou uma lista de 7 ou 8 profissionais (enfermeiros) dos mais experientes e conceituados que a instituição tem. Esta é na minha opinião uma medida de alguém que nada percebe da gestão de uma equipa de Urgência e que é uma decisão inqualificável. Muitas instituições, ou serviços, gostariam de ter profissionais da categoria e profissionalismo dos que saíram do serviço ou que integravam a lista do Sr Enf Chefe (eu vi a lista e sei de fonte segura que foi ele quem a elaborou apesar deste ter mentido posteriormente aos enfermeiros do serviço de Urgência).
    Como houve vários profissionais inclusive da minha classe (médicos) que questionaram estas atitudes e que de certa forma responsabilizaram o Enf Chefe e a Directora destas decisões, a lista foi interrompida ou suspensa por enquanto, pois estou convicto que tudo farão para a continuar de uma forma ou de outra. A prova disto é que os colaboradores do chefe foram de certa forma dispensados das suas funções, na minha opinião mal.
    Como faço bancos no Serviço de Urgência, observo e oiço frequentemente os enfermeiros, alguns que considero meus amigos, e excelentes profissionais, cumpridores, responsáveis e respeitosos, percebo que as coisas não vão famosas no serviço.
    Os cuidados prestados decresceram a olhos vistos, percebi que ninguém supervisiona os cuidados, os equipamentos falham consecutivamente não havendo ninguém responsável e o Sr Enf Chefe não sabe como funciona o Serviço nem sabe prestar cuidados emergentes, e não está em todo o lado. Ora a ignorância é o pior inimigo nestes casos, é que pensamos ter a noção das coisas quando estamos a Km de distância o que nos leva a cometer erros gravíssimos. Em conversa com o Enf Chefe do meu Serviço, este referiu-me que os doentes que provêm do serviço de urgência ultimamente, vêm em péssimas condições tendo verificado que o número de doentes com úlceras de pressão aumentou significativamente.
    Tenho percebido também que os enfermeiros novos do Serviço de Urgência anda demasiado “desamparados”, não se verificando o espírito de ajuda e de equipa que observava até a bem pouco tempo.
    A assistir a tudo isto anda a Srª Directora, que está mais preocupada a criar problemas onde eles não existem, desviando atenções da forma danosa como tem conduzido o serviço. Falo dos questionários sobre a triagem (que funciona muito bem), que levanta discórdia entre as diversas classes profissionais e o que está mal é o encaminhamento dos doentes que é da sua inteira responsabilidade, o que só demonstra a sua "in......". Ou do plano da gripe de que são os dois responsáveis, ou devo dizer irresponsáveis, pois é um plano de conveniência e não de contingência, pois uma vez que para doentes e profissionais não presta (não digo mais, pois poderia criar desconfiança na instituição).
    Tudo isto para dizer que se fala nos nomes destes dois protagonistas da discórdia e da "in......" para a administração do CHC, muito mais haveria para dizer… mas penso que fica bem visível a incompetências destas duas pessoas, por isso estes também não servem e se forem os escolhidos iremos manter ou até piorar a prestação da instituição. Apesar de tentarem publicitar que estão a fazer um bom trabalho ainda que para isso tenham que apresentar como suas medidas e projectos da autoria de outros.
    Falou-se também no regresso do Dr. José Manuel Almeida, mas com as novelas que se têm feito acerca da sua vinda… uma coisa é seria certa a instituição iria “mexer “ e já agora, na minha opinião, seria uma excelente escolha pois quer se goste ou não, no tempo que esteve à frente do Serviço de Urgência fez um excelente trabalho para o Serviço e para a Instituição, não esquecer que o Serviço foi considerado o segundo melhor a nível nacional, por alguma coisa será! O facto não foi aproveitado pela actual administração e direcção do serviço de urgência, pois não interessava… era dar protagonismo a anterior direcção do SU.

    Cumprimentos a todos

    ResponderEliminar
  12. comentario a AF

    A agitação que se vive no CHC começa a ter imagem!
    Apelo ao comentador AF que se distancie um pouco da sua emoção, que naturalmente terá origem na sua compreensivel indignação.
    Relembro que no outro meu comentario referi que o que se passa no CHC é consequencia e espelho do que se passa na sociedade portuguesa, onde PS e PSD são trampolim para tudo. E este é apenas mais um exemplo.
    A actual directora do SU fez a sua formação neurocirurgica , e não foi pacifica,nos HUC . Terminado o internato e porque lhe foi barrada a ingressão no quadro daquele serviço foi colocada em Braga( se não me engano)
    Ora tanto quanto julgo saber a referida médica vivia maritalmente com Antonio Vilhena, nº 3 da lista de Alvaro Seco á camara de Coimbra, militante do PS, proximo de Antonio Arnaud, seu padrinho maçon. Com esta cunha e através de gente importante do PS de Coimbra , na altura com influencia no conselho de administração do CHC, conseguiu a sua transferencia SEM QUALQUER CONCURSO para o quadro de CHC.
    E assim não me admira que tenha sido nomesda para directora do SU como tambem não me admiraria nada que seja a proxima directora clinica ou até presidente do conselho de administração.
    Os "job for the boys" continuam não se esqueçam!

    agradeço a todos os tetemunho que aqui vão deixando. è importante que não assistamos pacificamente ao degradar do CHC

    ResponderEliminar
  13. Boa tarde a todos os que se dispoem a debater a situação do hospital dos Covoes.

    Já aqui se falou do conselho de administração e do S. urgencia, mas não pensemos que os restantes sectores vão melhor.
    Poderiamos falar do departamento de Cirurgia cada vez mais definhado, com dificuldades em fazer valer a sua idoneidade, ou no Bloco Operatorio que reduz a sua actividade porque quem lá trabalha quer ir de férias em simultaneo ( há regras para isto mas parecem ser ignoradas)ou então do departamento de Medicina que é aquele que melhor conheço.
    Desde que o ex presidente do conselho de administração e actual responsável por este departamento iniciou as suas actividades que tem havido atropelos em relação ás outras especialidades médicas. já foram roubadas camas nos internamento de Infecciosas, Neurologia, Gastro, etc. Será que a Medicina Interna trará uma mais valia assim tão importante? Não me parece.E porque não tiveram a mesma atitude com a Pneumologia? E com a Cardiologia? E os doentes que vão estão naquelas enfermarias deslocados terão um acompanhamento médico como os que estão fisicamente no serviço de medicina?
    julgamos que não.
    Os hospitais que referenciam doentes para o H. Covoes - Figueira da Foz, Pombal, tambem têm M.I, Mas não têm internamento daquelas especialidades.
    Parece um contrasenso mas é o que temos em nome de uma melhor gestao.

    ResponderEliminar
  14. Onde fica o resto dos profissionais de saúde? Só contam os médicos e enfermeiros?
    E os "auxiliares de acção médica"? Ou melhor assistentes operacionais (nome feio), ja agora o porque da alteração de nome?
    Gostava de ver os médicos e os enfermeiros sem os auxiliares! Sim! Porque não há ninguem que nos dá o devido valor, parece que o CHC só trabalho com médicos e enfermeiros!

    ResponderEliminar
  15. Boa noite:
    Antes de mais, parabéns ao administrador do Blog pela pertinência do tema e pela possibilidade de serem debatidas ideias e opiniões.
    Tomei conhecimento deste Blog no CHC e tive curiosidade em dar uma espreitadela. Devo dizer que em boa hora o fiz, pois achei muito interessantes alguns pontos de vista, ideias e até algumas novidades aqui retratadas. Mas confesso que foram poucas as novidades, ou melhor as surpresas, pois algumas tristes realidades são sobejamente conhecidas, como as retratadas anteriormente.
    Há muita prepotência na nossa instituição, com a criação da EPE, dos departamentos e dos respectivos cargos de direcção, verifico que há poucos profissionais preparados para exercer cargos de direcção ou chefia, numa instituição que precisa de mudança.
    É que para que esta mudança se verifique é necessário que estes cargos sejam desempenhados por profissionais competentes que tenham demonstrado valor para exercer com excelência essas funções. Escusado será dizer que para tal não se pode atender a compadrios, ligações políticas ou amizades.
    Muitos episódios haveria para contar, para além dos já referidos anteriormente, mas não vale a pena. Mas o que importa referir é que acima dos protagonistas das barbaridades que se cometem dia-a-dia no CHC, existem superiores hierárquicos que assistem a tudo isto como de uma novela se tratasse, devem pensar que tal não interfere na motivação e desempenho de cada colaborador do CHC, EPE! Puro erro meus Srs.
    Daquilo que me apercebo a atitude dos colaboradores do CHC é de “cumprir mais um horário de trabalho e não se chatearem muito com isto”…
    Algo vai mal quando assim é, porque não assumem todos os decisores do CHC as suas responsabilidades? Ou alguma administração, administrador, director ou chefe, pensa conseguir bons objectivos sem a colaboração das bases?
    Pois é meus Srs, mas isso consegue-se envolvendo-os desde a concepção dos projectos e não apenas exigindo o seu cumprimento a todo custo. Depois admiram-se que os objectivos não sejam atingidos!
    Precisamos de uma administração forte e que motive os seus funcionários, pois a instituição é constituída por todos eles, com ideias e com os pés bem assentes no chão e que não permita desrespeitos aos seus funcionários, principalmente a pessoas que merecem apreço por tudo aquilo que já deram e fizeram pela instituição.
    Mas cabe também a cada um de nós auxiliar quem vier, e que venha por bem, a conseguir mudar o rumo de uma importante instituição como a nossa.
    Mas por favor, como já alguém disse, incompetentes e arrogantes basta.

    ResponderEliminar
  16. Quando li este blog pela 1ª vez ainda não havia comentários, vejo agora vários e alguns bastante pertinentes. Saúdo os comentadores.
    A instituição merece sair do actual estado "atrofiado" em que se encontra, e todos os profissionais são fundamentais nesse sentido. Excepto aqueles que por estranhos caminhos têm adquirido alguma (efémera) visibilidade com vista a outros vôos.
    O CHC é de todos os que lá trabalham, mas acima de tudo é de todos os utentes, que ao longo de muitos anos têm visto na instituição um farol na escura angústia da doença.

    ResponderEliminar
  17. Como é possível tanto ódio! Não se olham a meios para atingir os fins. E que fins. O retorno dos sanguessugas ao poder. Até vai ao ponto de se elogiar um artista que após promover e propagandear o Alert, não teve pejo em se passar directamente para funcionário da empresa. E de ainda se defender um enfermeiro que ao mesmo tempo que era júri num concurso era sócio de um dos concorrentes. Haja Deus...

    ResponderEliminar
  18. Estamos de acordo- Anónimo - último; como é possivel tanto ódio !!!! o Alert era á altura a única escolha disponível e está instalado em vários Hospitais incluindo os HUC. O problema mantem-se não há ainda alternativa capaz para o problema das Urgências, se não os HUC Nós e outros já teriamos solocionado os custos de manutenção do programa Alert. Não vejo que isso seja sensurável ao " Artista " em causa. Será que estamos a ver sob a capa do anonimato a mesma vontade que amputou um e-mail com um parecer pessoal pedido, ao Drª José Manuel Almeida, como membro do Grupo Português de Triagem,pela Drª Maria João Faria retirando-lhe o emissor ( anonimato ) e o colocou no mail da Drª Maria João Frade como sendo para Ela ???
    Falemos de ÓDIO !!!!!

    ResponderEliminar
  19. Porque será que quando pertendemos aceder a este blog por dentro do sistema informático do C.H.C. ele está com intreferências que não permitem ler os textos dos comentários e fora da Instituição eles são perfeitamente legíveis????

    ResponderEliminar
  20. Cumprimentos a todos.
    Não querendo desvalorizar as últimas opiniões, façamos uma análise:
    Conhecem algum programa informático que responda às necessidades dos serviços de urgência da mesma forma que o Alert?
    Conhecem alguma empresa que se disponibilize a adequar os seus programas informáticos às realidades da instituição, ainda que isto exija múltiplas soluções como o Alert?
    Algum director do serviço de urgência ou de outro serviço do CHC, mostrou ser capaz de transformar um “nico” de urgência sem nexo, no serviço que é hoje o serviço de urgência? Falo a todos os níveis, físico e funcional.
    Algum enfermeiro chefe fez o que esse enfermeiro fez pelo hospital e pelo serviço? Quer no planeamento, quer na implementação do serviço, desde a escolha de equipamentos e matérias, quer no próprio envolvimento nas questões mais complexas, lutando diariamente contra inúmeras adversidades para cumprir os prazos estipulados?
    Certamente que não há pessoas perfeitas e todos têm as suas falhas, mas não me parece que aceitar um convite de trabalho numa outra empresa seja crime. É que no tempo em que o CHC foi promovido pelo facto de ter a única urgência no país sem papel, das inúmeras visitas realizadas por estrangeiros de várias nacionalidades e por diversas instituições nacionais o CHC e o Alert eram o máximo…
    Ou será preferível suspender a actividade que se desempenha no CHC e no dia seguinte ser-se contratado pela mesma instituição para fazer o mesmo mas a ganhar o dobro?
    Quanto ao enfermeiro chefe que é dono de uma empresa de serviços médicos e era membro do concurso… falhou… e sabem onde? Em ser ingénuo e ter a empresa no seu nome, pois se a empresa estivesse no nome de um seu familiar, ou uma outra artimanha, como acontece actualmente… estava tudo bem (mas sai na mesma do SU…).
    Já agora, não haveria ninguém no conselho de administração a saber desta situação antecipadamente e se calou sem nunca o ter revelado?
    Termino reafirmando ser defensor da legalidade a todo o custo, por isso não quero que entendam as minhas palavras como estando a relevar questões legais, mas já agora qual foi o crime que os dois enfermeiros que foram expulsos do serviço de urgência cometeram? Quem foi o responsável pela expulsão? E os outros 5 que faziam parte da lista?
    É que também eu vi a lista e sei que foi o actual chefe com o acordo da directora quem a elaborou.
    Para mim falta de carácter também deveria ser considerado crime.
    Concordo que alguém diz num comentário anterior que os superiores deviam impor-se.

    ResponderEliminar
  21. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  23. “POR ERRO MEU, MÁ SORTE E AMOR ARDENTE” VEJO ME NA NECESSIDADE DE CORRIGIR UMA PARTICIPAÇÃO NO BLOGUE, QUE FICOU IDENTIFICADO COMO ANÓNIMO E NÃO ERA SUFICIENTEMENTE CLARO.
    Estamos de acordo Anónimo; “como é possível tanto ódio” !!!! o Alert era á altura a única escolha disponível e está instalado em vários Hospitais incluindo os HUC. O problema hoje mantém-se, não há ainda alternativa capaz para o problema das Urgências. Caso existisse um programa de integração interdisciplinar concorrente credivelmente com o Alert os HUC, o CHC e outros Hospitais, já teriam solucionado os custos altos de manutenção do programa Alert, substituindo o dito, por outro programa informático adequado ao funcionamento da Urgência. Não vejo por isso que seja censurável o " Artista " em causa referido pelo “Anónimo”.
    Será que estamos a ver, sob a capa do anonimato, a mesma vontade que amputou um e-mail particular, com um parecer pessoal pedido ao Dr. José Manuel Almeida, como membro do Grupo Português de Triagem, pela Dr. Maria João Faria, retirando-lhe o cabeçalho e o emissor (anonimato) e o colocou no mail da Dr. Maria João Frade como sendo para Ela a coberto de serem ambas “ Maria João???
    É que o Tema era um inquérito de satisfação dos prestadores, pessoal de Saúde, sobre a adequação da Triagem Manchester á Urgência, que estava mal feito, e mal implementado, o que originou o maior dos equívocos.
    Falemos então de ÓDIO!!!!!

    ResponderEliminar
  24. Em democracia há liberdade de expressão, debate de ideias e liberdade de pensamento.
    Mas também é imperioso a educação e o civismo.
    Saibam viver em democracia, aprendam a aceitar opiniões diferentes e a debate-las em igualdade, com argumentos válidos e não com comentários mesquinhos ou ataques “fatelas” e pessoais.
    Um Blog na conjuntura actual, seja ele qual for, pretende que os participantes tenham a possibilidade de se expressar e de expor as suas ideias, que porventura caso não existissem Blogs, não teriam essa oportunidade.
    As figuras públicas encontram-se expostas, como tal, devem estar preparadas para lidar com opiniões discordantes, principalmente quando se tomam decisões polémicas ou injustas. É que mais cedo ou mais tarde os assuntos desta natureza tendem a ser debatidos.
    Por isso não adianta intimidar o administrador deste Blog, os seus visitantes e divulgadores. Quer seja com comentários aqui colocados, com bloqueio ao Blog a partir do CHC, ou com ameaças no local de trabalho (CHC) de que vão colocar o assunto na judiciária.
    Não me parece que este Blog contenha factos não verídicos, ou susceptíveis de ser investigados pela judiciária, pois mais ou menos as coisas aconteceram da forma que os visitantes as relatam, todos nós o podemos confirmar no CHC e um pouco por todo o lado eles já são comentados há muito tempo.
    Seria ingénuo pensar que os actos polémicos ou considerados injustos da autoria de uma figura pública iriam passar impunes. “Deus tarda, mas não dorme…”, ainda que seja com a divulgação e debate num Blog.
    “Srs figuras públicas” encaixem. Esse tipo de atitudes só demonstra o incómodo de que se torne público as decisões por vós tomadas…

    ResponderEliminar
  25. Esperava Eu, na minha ingenuidade, que este Blog fosse antes de mais um espaço onde se pudesse discutir construtivamente as soluções de futuro sem descurar os erros do passado, e aprender com eles, os erros claro.
    Espero que o espaço de diálogo democrático de que o CHC está carente, depois de um período de autoritarismo serôdio, seja correctamente aproveitado, sem com isso branquear a actuação de alguns Protagonistas e propiciar que a “ culpa morra solteira “ Isto com Verdade mas também com Educação e Cortesia.

    ResponderEliminar
  26. Todos nós, pessoas, cidadãos e profissionais devemos ter os pés bem assentes na terra.
    Por vezes, para subir na posição que desempenhamos, para sobressai r, ou simplesmente para dominar, somos levados a prejudicar outros a deitá-los abaixo.
    Numa primeira perspectiva, pode parecer que isto seria correcto, que até compensa. Mas quer se queira, quer não, mais cedo ou mais tarde obterão o revés da medalha.
    Isto é o inicio deste revés, que espero se transforme em algo muito positivo para o CHC.
    Está mais do que patente que houve vários processos ao longo dos últimos anos do CHC que não foram bem conduzidos e prejudicaram muitas, pessoas, cidadãos, profissionais de uma forma gratuita e não ponderada, prejudicando também a instituição.
    Espero que o próximo conselho de administração e órgãos de gestão intermédios ponderem as suas decisões para que não caiam na mesma tentação. Isto não quer dizer que não tenham que substituir profissionais, reestruturar funções, órgãos e departamentos. Até porque tenho a convicção profunda de que há inúmeros profissionais com elevado valor, que neste momento se encontram insatisfeitos, desmotivados e que poderão desenvolver um excelente trabalho na instituição que tanto precisa deles.
    Façamo-lo (a reestruturação) com convicção, ponderação e justificação.
    Aqui e em todo o lado, saibamos discutir e falar das coisas em democracia, é que caso não tenham percebido, isto é muito bom para a instituição. Faz parte do processo de renovação/mudança.
    Assim sendo: Parabéns Dr Fernandos Martins (administrador do Blog) pela pertinência do Blog.
    Quanto aos visitantes, utilizem este espaço de forma correcta para debate de ideias ou convicções, que não serão certamente consonantes, mas que o sejam com argumentos válidos e não com comentários inqualificáveis.

    ResponderEliminar
  27. Parabéns Fernando Martins...

    ResponderEliminar
  28. O anonimato não é sempre mau...
    Quero dizer, não é pelo facto de optarmos por uma participação anónima que desqualificamos a participação!
    Veja-se, por exemplo, a doação anónima de dinheiro ou outros bens em alturas de crise comunitária ou social graves; os seus autores não querem, por motivos mais nobres uns que outros, ficar associados nem à nobreza do gesto, por um lado, nem à natural gratidão pública, por outro...
    Portanto, o simples facto de existir o anonimato não é sinónimo de irresponsabilidade ou de menor sujeição ao escrutínio público...
    O que é grave é que o mesmo tipo de atitude sirva para encobrir a cobardia, a irresponsabilidade e a falta de princípios cívicos que a vida em comunidade torna obrigatórios. O que é grave é que esse anonimato sirva para inviabilizar a assumpção de responsabilidades de todas as naturezas e, assim, por via do jogo rasteiro, se torne possível o cultivo do insulto fácil, a fertilização da suspeição e o envenenamento das relações sociais...
    A diferença entre o primeiro tipo de anonimato e as suas motivações e o segundo tipo e as suas insídias é a diferença entre a luz e o esgoto, entre os vertebrados e os invertebrados, entre a utilidade e a dispensa, entre a fala e o ruído, entre o possível e o impossível, entre o desejável e o desprezível, entre muitos de nós e alguns dos outros...
    Parabéns ao Admistrador do Blog, deste e de todos os outros que prestam um tributo à liberdade de expressão (à responsável e à outra)e que, lamentavelmente (neste como noutros), alberga, porque "tem" que ser, gente que nos prova à saciedade o muito que há para fazer nas diversas áreas da Educação e da Integração Social!
    Sei que esta posição recolherá a simpatia dos leitores deste Blog; sei que assim será da maioria desses leitores porque acredito que este é um país de gente amante da liberdade e da responsabilidade; acredito que a maioria sejam profissionais ou utilizadores do Centro Hospitalar de Coimbra.
    Por isso mesmo, faço questão de manter o primeiro tipo de anonimato... esta é uma ideia que tem muito mais e vale muito mais que a nobreza, que houver, do seu autor!

    ResponderEliminar
  29. Retirei um comentário porque não me pareceu ter dignidade para aqui figurar. Também pouco acrescentava em termo de informação.
    Algumas pessoas têm dificuldade de viver em liberdade, porque convivem mal com a transparência. Errar não é normal (como às vezes se diz), mas é humanamente possível.

    O que nos distingue na vida em democracia é a capacidade de admitir erros, avaliá-los e, sobretudo não os repetir. No entanto esta humildade não abunda. É mais fácil varrer o lixo para debaixo do tapete, que limpar a casa; temos continuado a viver numa paz podre que permite a sobrevivência dos germes (que vivem bem no lixo) até que o cheiro do lixo acumulado seja insuportável.

    Aceito neste Blogue todas as opiniões, pois não sou dono da verdade. No entanto exijo educação, dignidade e algum conteúdo. Quem não tiver nada para dizer e goste de praguejar, pode ir vociferar à noite para o choupal, pois evita perturbar o sono a gente de bem ou conspurcar a liberdade de expressão que eu quero que persista neste forum.

    Ainda bem que nem toda a gente gosta de mim; ficaria preocupado se assim acontecesse.

    ResponderEliminar
  30. Parabéns Dr Fernando Martins pelo espaço agora criado, que será sempre difícil de administrar.
    Pena que ainda não tenha aqui encontrado nada sobre o futuro, o que se quer, o que pode e deve fazer, porque no passado já ninguém mexe (passou).
    Conceição Abreu

    ResponderEliminar
  31. Boa tarde amigos,
    O facto de tanta gente querer dar o seu testemunho e opinião sobre o CHC é muito saudavel e terá de haver opinião diferente sem que isso signifique que somos adversários.A nosso objectivo será ajudar a recuperar a estabilidade do CHC.
    A minha pretensão ao colaborar neste blog é antes de mais de contribuir para uma discussão séria sobre o que nos preocupa a todos e sugerir eventuais caminhos ou soluções já que no nosso local de trabalho isso não é viável. não interessa dizer mal só por feitio ou hábito...
    Os boatos ou o diz-se diz-se são o maior inimigo que pode haver numa democracia onde deve haver transparência e respeito. gostaria até que algumas pessoas aqui visadas e que estão com medo que a sua imagem saia prejudicada neste blog tivesse a coragem de se fazer ouvir. mas provavelmente isso não irá acontecer. será mais fácil falar em inquéritos, queixas à PJ, vitimização, etc , como é hábito.
    Por mim cá vou permanecendo. até sou da opinião que deveria haver queixas judiciais pois muitos dos aqui escrevem sabem muito mais do que aqui foi escrito e então talvez muita coisa se esclarecesse e talvez houvesse mesmo que sansões pelos atropelos profissionais e desastres financeiros que têm vindo a ser cometidos.

    ResponderEliminar
  32. De facto todos somos bons, muito bons mesmo, a criticar o trabalho dos outros... O problema é que todos os que futuramente irão ocupar os "tão importantes cargos" estão neste momento a criticar, mas quando chegar o momento certo irão certamente sucumbir à pressão e fazer o mesmo.

    Algumas mudanças foram feitas, e agora falando no tão badalado SU. As mudanças eram de facto precisas, talvez não tenham sido feitas da melhor forma, mas eram realmente necessárias. Houve gente que saiu e que de facto precisava de sair, assim como também saíram pessoas que não deviam.

    O SU está "pior"?

    - SIM para todos os que saíram e/ou para quem é apoiante de quem saiu.

    - NÃO para todos os que continuam a defender que o tempo das quintas e quintais já devia ter acabado à muito.

    ResponderEliminar
  33. É uma vergonha para a instituição e principalmente para os seus funcionários as criticas maldosas que aqui se estão a fazer, é a luta pelo poder (ainda não há CA!, mas há, isso sim, muitos interessados)

    ResponderEliminar
  34. E que tal pensar nos doentes e deixarem-se de politiquices.

    ResponderEliminar
  35. Cuidar dos doentes é a nossa missão e aquilo que aprendemos e sabemos fazer. As politiquices condicionam o modo como o fazemos e sobretudo como vemos garantida a possibilidade de continuar a faze-lo com qualidade e dignidade.
    Ainda não li aqui nenhum comentário que defenda ou proponha o absentismo ou a degradação dos cuidados, pelo que continuamos a pensar no doentes.

    ResponderEliminar
  36. Que fique aqui um voto de pesar pelo recente falecimento do Dr Manuel Miraldo, um HOMEM bom que fez o melhor que podia e sabia pela instituição

    ResponderEliminar
  37. sinto-me triste por fazer parte de UMA "EQUIPA" De trabalho numa instituição de renome CHC hoje somente preocupada em lavar roupa suja descorando o bom e necessário trabalho a fazer. vamos desparasitar a instituição e encaminha-la a bom porto...

    ResponderEliminar
  38. Quanto ao SU do CHC tenho realmente a lamentar que parte das impressoras não funcionam, não há papel, envelopes faltam, etc etc (reconheço que já funcionou melhor)

    ResponderEliminar
  39. Boa Noite:
    Foi com pesar que recebi uma notícia, triste...
    Não estou triste pela pessoa em questão, porque sei que tem capacidade para outro(s) projectos, mas sinto-me triste porque se perdeu mais uma boa oportunidade de mudança, sim para bem dos doentes, pois claro e da instituição que somos todos nós.
    Gostava que quem defende algumas politicas, sim politicas (A palavra política denomina arte ou ciência da organização, direcção e administração), sentisse na pele as más decisões de alguém que não faz a mínima ideia daquilo que está a gerir.
    Poderia estar aqui a tecer comentários… mas neste momento não me apetece, sinto-me triste, não é por mim, não é por ele, é por ela… a instituição.
    Um dia vou rir-me e vou dizer-vos “eu bem vos avisei”, “eu tinha razão…”, espero não ser demasiado tarde.
    É que nós tendencialmente temos o dom de desvalorizar tudo o que de bom é feito na instituição, ou então deitar abaixo o autor ou a própria obra para que não seja melhor do que nós.
    Agora não me venham com histórias… há serviços no hospital muito mal geridos, é pena é só se vir a notar quando for demasiado tarde. “Eu avisei…”

    ResponderEliminar
  40. Mas que visão tão redutora do CHC: tudo resumido ao serviço de urgência do hospital geral e às tentativas do assalto ao poder a todo o custo! Parece que estamos a falar de Lisboa e o resto é paisagem...
    Mas o CHC é muito mais do que apenas um serviço e os interesses de meia-dúzia de intriguitas: são muitos serviços, muitos que se destacam, e três hospitais.
    Por último um alerta: a rede global é real, e os titulares dos cargos públicos nunca estiveram tão expostos como estão actualmente. Veja-se por exemplo o primeiro-ministro. Mas essa exposição ainda vai ser muito maior, e atrevo-me a dizer senhor administrador do blog, as maiores vitimas deste seu espaço com pouca expressão, será sem dúvida o próximo conselho de administração, com as pessoas que tanto defende.
    Mas acima de tudo, quem sai pior, com uma imagem degradante que até nem corresponde à verdade, é o próprio CHC.
    É vergonhoso ver alguns senhores, muitos com actuais cargos de direcção de serviços, atribuídos por factores que pouco valorizaram a competência, manifestarem-se da forma como o fazem. Até parecem que deixaram de conhecer a mão que lhe deu de comer... enfim...
    Ao contrário de outros comentadores, não lhe posso dar os parabéns pelo seu blog. São demasiado evidentes os seus interesses pessoais que estiveram na sua génese: primeiro o CMFR Rovisco Pais, onde era seu objectivo chegar a presidente, e agora que retornou à casa de origem, mas sem lugar de direcção de serviço, tenta associar-se à tal meia-dúzia de intriguistas para ver o que poderá daí colher.

    ResponderEliminar
  41. Utente

    Há muitos anos que procuro os vossos serviços por diversos problemas de saude, principalmente por bronquite asmática e outros, noto que acerca de mais ou menos 6 meses houve uma melhoria muito significativa na higiene e limpeza e um melhor atendimento por parte das enfermeiras enfermeiros e auxiliares de accção médica, na sua maneira de estar e ser, um louvor para quem nos tirou da antiga sala de inalações, aquilo era um depósito de micróbios e mau cheiro.
    Lamento que se preocupem com situações que em nada contribuem para a melhoria dos cuidados aos utentes, mas sim na luta pelo poder.
    Apenas para terminar, gostaria de ser atendida por médicos mais graduados, pois a partir das meia noite ou menos já não se vem,será que não estão de serviço, se estão porque não aparecem e só de manhã, todos nós estamos a pagar os nossos impostos para que o estado vos pague, por isso temos o direito de ser assistidos em tempo oportuno e por médicos crediveis, sem monosprezar os mais jovens que são os mais sacrificados.


    Pedro Tiago

    ResponderEliminar
  42. Aquilo a que se chama “visão redutora do CHC” é de facto a liberdade de expressão a funcionar para aqueles que, apenas aqui e agora, encontraram a possibilidade e o meio de se manifestarem. Concordo que já houve alguns exageros, mas correspondem à libertação da mordaça que os subjugou no CHC nos últimos anos.
    Concordo que se tem falado mais do HG que do HP e da MBB, mas talvez o HG tenha sido mais oprimido e aquele onde os colaboradores sentiram mais necessidade de desabafar; no entanto o fórum está aberto.
    Este Blogue não é, nunca foi (nem será) um manifesto eleitoral, nem pretende ser representativo do CHC; apenas representa as opiniões daqueles que as têm.
    Conforme pode constatar (reler as notícias que publiquei anteriormente para ficar mais esclarecido) não defendi pessoas, mas projectos, ideias (que felizmente tenho e gosto de compartilhar) e princípios.
    E porque “a rede é global”, as vítimas deste espaço e de qualquer outro espaço de opinião, serão aqueles que sempre tiveram (e terão) medo da transparência de processos e de intenções e que viveram a vida encerrados numa teia de segredos, que felizmente vai caindo, à semelhança do muro da vergonha. Comparar “a pouca expressão” deste blogue com a exposição do Sr. Primeiro Ministro parece-me exagerado, e não deixa de ser uma contradição.
    Quanto à “imagem do CHC” deixe-me que lhe diga que ela só sai reforçada com a evidência de que os seus quadros são interessados e interventivos, não estão à espera que a história aconteça, querem ser parte dela; não querem baixar o limiar da qualidade em detrimento duma quantidade “excelente”.
    Será verdade que “alguns deixaram de conhecer a mão que lhe deu de comer” será que “muitos com actuais cargos de direcção de serviços, por factores que pouco valorizaram a competência”, (afinal quem são os intriguistas?) agora vêm limitado o seu direito à auto-crítica? Terão sido entregues lugares de Direcção de Serviço na expectativa de fidelidades caninas? Alimentaram alguns esperando poder cobrar os favores com permutas ou chantagem?
    Quão equivocados estavam quando quiseram comprar fidelidades distribuindo tachos; é tempo de lembrar que vivemos num país livre onde as pessoas não vendem a sua integridade profissional e moral por um lugar de Direcção de Serviço, e o seu comentário é disso uma prova (amarga?).

    Quanto à minha vida pessoal, aos meus atributos e defeitos, dou-lhe o prazer de fazer as interpretações que quiser, porque não vivo em função da sua opinião.

    Já agora, gostaria de mudar o tom da discussão: o passado é conhecido e já se disse muito. É tempo de usar os elementos conhecidos do passado para fazer propostas para o futuro. Se queremos mudança, cabe a todos colaborar com o futuro CA, para fazer do CHC um lugar melhor para os profissionais e para os utentes, porque o bem estar de uns depende do bom trabalho dos outros.
    E quanto ao futuro Presidente “seja bem vindo quem vier por bem”.

    ResponderEliminar
  43. Boa noite.
    Volto a dizer que um adminitrador não se avalia por um ou dois actos, decisões...
    Eu avisei...

    ResponderEliminar
  44. Esta do aviso sobre o "administrador" é um elogio ou uma ameaça?
    Ao administrador do blog. será um reforço de tomada de decisão - "eu vou por aqui."

    ResponderEliminar
  45. KIMBUNDO
    A estrutura do CHC contemplava a articulação de 3 Hospitais dedicados a segmentos diferentes e andares etários diferentes sob a forma organizativa de Centro Hospitalar.
    . Isso era e é uma mais valia importante, porque permitia que cada um dos Hospitais, tivesse estratégias próprias e as mais adequadas á assistência aos doentes do seu segmento de cuidados, , que não tinha nem tem que ser igual.,
    Toda a estratégia de cuidados de Saúde a prestar a crianças é necessariamente diferente da estratégia da prestação de cuidados a prestar a grávidas ou a adultos e gerontes. A administração deveria garantir o equilíbrio dos recursos disponíveis e a diversidade das estratégias clínicas e assistenciais. No entanto desqualificou-se o Hospital Pediátrico e a Maternidade para “Departamento” sem com isso se ter ganho nada em matéria de operacionalidade ( ainda bem ) e pretendeu-se normalizar os cuidados de Saúde por um paradigma único com um modelo de gestão único e abstracto num trajecto claro de normalização Jurídico-administrativa sem qualquer consideração de carácter Clínico.
    NÃO FOI CONSEGUIDO POR RESISTÊNCIA EM SAÚDE DO SEU PESSOAL TÉCNICO ( Médicos, Enfermeiros, Auxiliares etc. ) EM SUMA POR UMA CULTURA INSTITUCIONAL QUE FOI VIOLENTAMENTE AFRONTADA.
    Bravo a todos pelo interesse maior dos Utentes e Doentes do C.H.C., mas que isso não seja o álibi para não se procurar uma evolução e reestruturação que permita adequar os Serviços ás necessidades dos seus utentes e doentes numa área do saber em permanente evolução e mutação.
    Ponhamos ao Serviço do nosso Povo, na prestação de cuidados de Saúde, os avanços que a Ciência permanentemente vai introduzindo e a Técnica vai operacinalizando.
    UM ABRAÇO A TODOS.

    ResponderEliminar
  46. Oh Kimbundo! Não percebi nada...
    Parecem-me meias palavras para nada.
    - Serão conselhos para o futuro?
    - Ainda não acabou o medo? Ou é outro medo?
    - "Resistência em saúde do seu pessoal técnico"? Quando? Quem resistiu? Como resistiu?
    - "Cultura Institucional que foi violentamente afrontada." Quando? Antes?
    Por cauda da última frase e do "nosso Povo", abraço também para si Kimbundo.

    ResponderEliminar
  47. Muito bem Kimbundo...
    Cocordo inteiramente consigo.
    Há que repensar a instituição como tal (Centro Hospitalar), pois desta forma poderemos ter alguma coisa a ganhar, isto se soubermos utilizar isto em prol da instituição. Caso contrário lá vai mais um serviço (hospital) para a outra instituição de Coimbra...

    ResponderEliminar
  48. Atenção ao que se passa actualmente no Hospital Pediátrico,nomeadamente no sector de consultas externas,onde reina a total confusão,de que são vítimas principalmente as crianças e familiares.
    O Hospital Pediátrico criou ao longo dos anos uma imagem de prestígio,baseada essencialmente na prestação de bons cuidados de saúde,actualmente essa imagem está fortemente abalada.

    ResponderEliminar
  49. UM UTENTE
    Todos os comentários que têm em vista a melhoria dos serviços do CGC são positivos, mas as criticas que são imputadas aos responsáveis pelo funcionamento das urgências do HG deveriam também ser dirigidas aos Médicos que nela fazem serviço, eles são os grandes responsáveis por os doentes ficarem esquecidos nas macas

    ResponderEliminar
  50. Em resposta ao ultimo anonimo

    Caro utente.

    Eu sou uma das pessoa que integra a equipa médica do SU do H. Covoes.

    Este meu esclarecimento vale o que vale pois não tenho qualquer responsabilidade no modo como
    funciona.

    É natural que quem espera desespera, mas não pense que os doentes são esquecidos nas macas.

    Talvez pudessemos questionar se as equipas médicas têm a melhor articulação e desempenho perante o dinheiro que estao a consumir ao contrbuinte. e aí eu respondo que não.

    Não sei se o referido utente sabe que há cerca de 1 ano e meio o conselho de administração recusou varias proposta para reorganização do S.Urgencia.

    Em declarações ao jornal publico em abril de 2008,o dr Rui Pato acusou entao os médicos de quererem ganhar muito dinheiro á custas do hospital.este muito dinheiro variava de 9 euros a 23 euros por hora consoante a categoria do médico.
    A solução encontrada foi contractar uma empresa de prestação de serviços médicos estranha ao hospital dos covoes e que cobra 35 euros á hora!!
    Ora estes médicos não fazem parte do corpo médico do CHC,não conhecem a estrutura do CHC, não podem seguir os doentes no dia seguinte, nem em consulta, nem os podem internar. quantas vezes se esgotam em diligencias e apelos...

    Ao sabermos isto ompreendemos, entao, melhor a dificuldade em articular o trabalho destes clinicos e a demora que os doentes sofrem.

    Não é por esquecimento que os doentes aguardam caro utente é por inoperância do sistema.

    ResponderEliminar
  51. Para o MM

    Mas que grande falácia, tentar comparar o que não é comaprável! Esses 23 euros a multiplicar por 250% dá qq coisa como 57,5 euros/hora, com direito a mais um dia de folga adicional.
    Só assim se compreende que muitos médicos que fazem urgência levam mais de 12.000 euros por mês em trabalho extraordinário, muitas vezes mais do que os colegas que prestam o mesmo serviço (e diga-se com muito mais qualidade) na urgência do hospital do outro lado do rio (os HUC, claro)

    ResponderEliminar
  52. UM UTENTE DA URGÊNCIA DO CHC-HG
    O funcionamento das Urgências é altamente questionável, sendo a satisfação dos utentes um critério que deveria ser tido em conta em qualquer restruturação. Mas o desenpenho dos médicos,sendo o factor de decisão quanto á sorte dos doentes, seria o indicador fundamental em qualquer processo de melhoria dos cuidados de saúde. Talvez que as equipas estritamente de urgência, profissionalizadas, pudessem dar uma resposta mais efectiva ás necessidades dos utentes, podendo acabar com diluiçao de responsabilidades, melhoria da continuidade dos cuidados e acabar com o vicio mas frequente que é ninguém saber o que se passa com determinado utente. Talvez se pudesse acabar com o triste espetáculo de se chegar ás 22h de qualquer dia e no longo corredor da Urgência, apenas se vêm muitos doentes e a atendê-los alguns enfermeiros e auxiliares.Médicos nem vê-los.Depois de muito procurarmos pelos gabinetes e salas de tratamentos, obetemos a resposta que talvez tenham ido jantar, ou então estão a operar, ou então estão onde não deviam estar, estando escalados para trabalharem numa valência do serviço de saúde, mais que todas as outras, fundamental para a segurança e confiança dos utentes no seu serviço de saude.Esta é uma opinião vivida de forma intensa e até dramática, pela situação de saude, mas também pelo que sentimos ao ver o funcionamento dum serviço tão importante para a nossa vida. Os técnicos de saúde devem ser formados na componente técnica e cientifica, altamente profissionalizada que os cuidados de saúde exigem, não se devem alhear das lógicas dos poderes que lhes estão subjacentes, mas não devem subjugar o seu desempenho a essas lógicas, sob pena de perderem a face perante os seus aliados de processo que são os doentes.

    ResponderEliminar
  53. Utente do serviço de Urgência do CHC-HG,que também é profissional de saúde

    A opinião do utente quanto á profissionalização das equipas médicas do serviço de urgência seria uma medida a empreender e já defendida por muitos, alguns até ministros.Responderia melhor ás necessidades dos utentes e era um passo para uma racionalização de recursos. Mas porque não avança, também todos reconhecem porquê, originaria um excesso de médicos nas enfermarias, sem doentes que o justifiquem, mas essencialmente originaria uma quebra acentuada no bolo do vencimento dos médicos.O pagamento de horas extras para que os médicos assegurem as urgências é o factor primordial para que nada se mude no funcionamento das urgências.Se essas horas extras fossem diminuidas ou abolidas, os médicos tomariam cosciência que em termos absolutos os seus ordenados base são baixos e por isso talvez se tornassem como os outros trabalhdores parte activa nas lutas por melhores salários.Assim. porque o bolo que recebem é composto pelas horas extras, tudo corre na paz dos anjos.

    ResponderEliminar
  54. Agradeço-lhe o comentario meu caro anonimo e esclareço ainda:

    Eu pertenço ao grupo dos que ganham 19 euros/hora e quanto á multiplicação por 250% acontece APENAS no periodo das 0 horas de sabado ás 7 horas de domingo.E só quem faz serviço ao domingo/feriado é que tem direito a folga adicional.

    O trabalho desempenhado pelos médicos da referida empresa não é o que faz parte da actividade dos médicos em topo de carreira e que auferem os tais 23 euros. não são substituiveis.

    Sabendo eu o que ganho ao fim do mês em horas extraordinarias atrevo-me a perguntar-lhe: tem a certeza que no CHC há quem ganhe 12.000 euros por mês em horas extraordinarias?

    Se assim fora minha preocupação como contribuinte é ainda maior e só reflecte a desgovernação em que o chc anda a navegar

    ResponderEliminar
  55. Meus Srs conheçam as duas urgencias como eu conheço e depois falem...
    Venha o diabo e escolha.

    ResponderEliminar
  56. lanço um desafio.
    se há tanta coisa para dizer e ainda mais para corrigir no S.U. do CHC porque não fazer um debate sério sobre ele?
    chega de queixumes!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  57. já ninguem escreve, ou será que está tudo à espera de tacho (que se lembrem dele...)

    ResponderEliminar
  58. Os meus parabens por este blog, tudo o que se diz é verdade, urgencia dos CHC é só fachada, pena nao ter mudado também a Sr.ª Directora e o Sr. Enfermeiro Chefe, o tempo que andam a infernizar a vida a quem trabalha e quer trabalhar, façam reciclagem, a emergencia precisa... chefes de serviço a quem faltam as "palavras do baptismo"...
    Eu sempre adorei o serviço de urgencia, faço o por gosto... mas neste momento o virar a cara é o melhor metodo a adoptar,forma de se encarar 8, 12, 24 horas de serviço naquele inferno, para ja nao falar dos assistentes operacionais, "coitados" sao tratados abaixo de cao, por um chefe de urgencia que só está presente para lhes "dar na cabeça". o serviço de urgencia dos CHC apodreceu............

    ResponderEliminar
  59. Concordo inteiramente com as palavras do último visitante.
    Não me parece que esta urgência tenha grande futuro com as pessoas que a dirigem.
    Que o digam os dois enfermeiros que foram expulsos pelo actual enfermeiro chefe mesmo antes de ir para a urgência... deixemo-nos de hipocrisias todos sabem que foi essa pessoa que elaborou uma lista de enfermeiros a expulsar do serviço de urgência, que eram os mais experientes e competentes e que lhe podiam fazer sombra.
    Digo-o com toda a certeza pois trabalho com eles diariamente e sei do que falo, são excelentes profissionais.
    Mas a esse Sr que está a destruir o serviço e que mentiu a toda a gente dizendo que não havia lista e que nada tinha a ver com isso, nada acontece. É verdade foi ele que elaborou a lista, com o conhecimento do ex-enfermeiro director e da directora do serviço. Seja homem e assuma, esse Sr quando foi confrontado com a sua ida para a urgência, colocou várias condições entre as quais a saída desses enfermeiros e … imagine-se a recolocação da sua esposa na ortopedia, entre outras…
    Como é possível alguém ceder a uma coisa destas como se ele fosse o ultimo enfermeiro à face da terra…
    Como expulsou e afugentou auxiliares e como “comprou” outros que se vendem por pouco… o próximo passo são de novo os enfermeiros… e auxiliares… preparem-se os profissionais dessas classes… tudo irá fazer para tirar algumas pessoas do caminho.
    Diz mal do ex-enfermeiro chefe do serviço, que substitui e do ex-director que agora é seu director de departamento, acusações gravíssimas de índole penal.
    Inclusive soube à dias que esse Sr participa (dirige) as reuniões dos chefes de equipa, que ultrapassa largamente as suas funções nestas reuniões e ainda no trabalho diário dos médicos.
    Srs directores, todos eles, de serviço, departamentos, concelho de administração etc, demonstrem o porque de serem escolhidos e correspondam as expectativas que todo o hospital depositou em vós, não se acobardem e não finjam que está tudo bem porque não está.
    Ou será que agora como já têm o vosso “tacho” já nada disto importa.

    ResponderEliminar
  60. resposta ao comentário do dia 26 de janeiro às 15h57

    Parece-me que o comentador que redigiu o texto, relativo à resposta que acima refiro, deverá ser mais prudente quando decide opinar sobre algo, pois quando refere "Não me parece que esta urgência tenha grande futuro com as pessoas que a dirigem. Que o digam os dois enfermeiros que foram expulsos pelo actual enfermeiro chefe...", está a alvitrar em grupo, e quem sabe sem na realidade sondar os principais protagonistas, digo eu, que sinceramente não tenho capacidades de omnipresença ao ponto de poder afirmar que "Digo-o com toda a certeza pois trabalho com eles diariamente e sei do que falo". Parece-me que estes comentários são pouco coerentes e ambiguos, pois os dois profissionais de que se fala, não trabalham no mesmo serviço.
    Por outro lado, se a intenção do comentador era enaltecer as qualidades dos profissionais em questão, não me parece que o tenha efectuado da melhor forma...pois dá a entender que andou a recolher opiniões para poder sugerir a sua própria opinião colocando outras "pessoas ao barulho", esquecendo-se que por trás de bons profissionais, e principalmente neste caso, podemos encontrar excelentes seres humanos, com valores éticos e morais e que acima de tudo conhecem o seu próprio valor.
    Afinal caro comentador em que serviço se encontra a prestar serviços? Na urgência, na UCIC ou na Urologia.?

    ResponderEliminar
  61. Resposta ao comentário efectuado a 2 de fev de 2010 20:06:
    Em primeira instância a opinião é livre.
    Em segundo lugar as pessoas não se tornam piores profissionais pelo facto de mudarem de serviço.
    Tenho a minha opinião sobre os dois enfermeiros que sairam. assim como os restantes que fazem parte da dita lista, pois traalho com eles no SU quando faço serviço.
    Concordo consigo quanto aos excelentes seres humanos, com valores éticos emorais, MAS TAMBÉM COMO BONS PROFISSIONAIS.
    Espero ter sido esclarecedor.

    ResponderEliminar
  62. Somos enfermeiros do SU, não nos revemos em nada no que atrás é referido.
    A ditadura já acabou, o que pretendem estes senhores com este tipo de comentários é que a mesma volte, já se devem ter esqucecido do seu tempo.
    A instituição tem outros problemas com que devem preocupar, deixem trabalhar em paz quem tem feito um excelente trabalho.
    Questionem o pessoal que (marquem uma reunião)aqui trabalha se partilham da vossa opinião.
    Tenham coragem de dar o rosto, ou será que temos entre nós alguém que não o merece.

    ResponderEliminar
  63. Tenho muita admiração pelos Srs enfermeiros da urgência, mas a visão neste momento não pode ser corporativista, não me compete interferir ou julgar outras pessoas ou profissionais, principalmente de outra classe. Mas que neste momento me confronto com situações que não eram habituais na urgência, é verdade, e noto que alguns colegas têm verificado o mesmo.
    A equipa de enfermeiros está "diferente", resta saber se para melhor... na minha opinião não, pelo menos para os doentes.

    ResponderEliminar
  64. Enf.IC

    Tive conhecimento deste Blog, através dum email enviado pelo Sr. Enf. António Pereira a gum tempo, onde tecia algumas criticas ao su,
    recentemente tive oportunidade d verificar que em nada corresponde á verdade o que então referia.
    Tive um familiar que acompanhei cverca de 24 horas nesse serviço e o que pude obervar foi o seguinte:
    Serviço limpo e organizado, com uma simpatia por parte de quase todo o pessoal de enfermagem,o que lamentavelvente verifiquei, é a falta de médicos, principalmente dos mais credenciados, os que encontrei eram quase todos jovens, onde se notava alguma falta de experiência para resolver os casos mais complexos.
    Não podia de deixar aqui o mesmo testemunho ao excelente trabalho desenvolvido pelos enfermeiros.
    O meu muito obrigado pela forma simpática e profissional com que cuidaram do meu familiar.
    Parabéns pela excelente equipa que têm.

    Oportunamente comentarei outras situações que tive conhecimento, pelo que os responsáveis deste serviço devem continuar a não dar ouvidos a quem a tudo o custo quer tomar o poder, sem olhar a meios para atinggir os fins.

    ResponderEliminar
  65. o que mais me surpreende à ver aqui alguns comentários que atribuo a enfermeiros do SU em que generalizam a toda a equipa a sua opinião pessoal, mas que estou em crer não corresponde de todo à realidade, que se formos individualizar as opiniões, verificamos que a maioria está mais satisfeita agora do que no tempo da anterior direcção de serviço e chefia de enfermagem.
    parece-me que entre os enfermeiros há alguns a tentar minar a presença do actual enfermeiro chefe, uns de uma forma mais aberta, outros de uma forma mais calada e outros ainda externos ao serviço!

    ResponderEliminar
  66. Concordo em absoluto com o último comentário. O serviço de urgência está diferente para melhor, está mais bem organizado, finalmente tem uma chefia competente à altura da dimensão e das necessidades do serviço. E afirmo-o de forma aberta e desinteressada, pois também sou enfermeiro da urgência e tenho olhos para avaliar as diferenças.
    É óbvio que as mudanças não agradam a todos, nomeadamente aos que se acham os maiores, os insubstituiveis e que o mundo gira à sua volta. Mas em lado nenhum há insubstituiveis, e no caso concreto da urgência do geral, graças a Deus que houve mudanças.
    Designadamente aquela pessoa que os restantes colegas do serviço bem conhecem como eu, o C que não é de Castelo, que se farta de mal-dizer neste blog atrás do anonimato ou travestindo-se de médico, que finalmente começou a entrar nos eixos e a trabalhar alguma coisa de modo que justifique o que lhe pagam, para além de entrar também nas equipas que dão bem no duro naquele serviço.
    De teóricos está o serviço cheio e não precisa de mais. Precisamos é de enfermeiros com vontade de trabalhar, que gostem do serviço onde estão, e não venham lavar roupa suja para a praça pública.
    Ao contrário de poucos mas como a maioria dos enfermeiros da urgência do geral, estou satisfeito com as mudanças e considero que ainda há muito por fazer.
    Por último e sobre a saída dos 2 colegas, apenas tenho saudades da Luz, do Pereira nem por isso...

    ResponderEliminar
  67. Actualmente a triagem no SU está a ficar muito má e os doentes, como sempre, são os mais prejudicados, por ex. os neurologistas queixam-se (e parece que com razão) que há dias (?) em que é tudo para eles, lipotímias/síncopes, idosos com estados confusionais (em 99% dos casos doenças do foro da medicina), cefaleias com febre, etc, etc.

    ResponderEliminar
  68. ao sr. anónimo de 5/março às 18h33

    quem opina assim deve saber que o sistema de triagem de manchester baseia-se em queixas e não em diagnósticos.
    pegando no seu exemplo, assim como os neurologistas se queixam (e parece que sem razão) de terem de ver doentes com estados confusionais (triagem provavelmente pelo fluxograma de comportamento estranho, que remete maior parte das situações para a neurologia, conforme o discriminador) ou cefaleias (triado provavelmente pelo fluxograma de cefaleias, que novamente remete grande parte das situações para a neurologia), também outras especialidades se queixam: é a cirurgia que acha que a dor abdominal com outra sintomatologia associada nem é para eles (podem ter razão, mas quem tria não tem de estabelecer o diagnóstico, e muito menos a olhar 3 minutos para o doente mal ele entra no SU e sem EAD, e esquecem que o fluxograma da dor abdominal à cirurgia encaminha); é a medicina que tem muitos doentes para ver; etc
    seria tudo muito bom se o dia-a-dia fosse o que agora é utópico, na medida de não permanecerem doentes mais de 24h no SU, de todos os profissionais que estão de escala estivessem de facto no SU (e a trabalhar efectivamente e não se ficando todo o dia pela sala de pausa); etc
    sr. anónimo referido, deixe-se de "bota-abaixismo", de falar mal do que provavelmente não sabe ou não tem formação para conhecer e fique-se com os seus etc...
    já agora... jogadas de bastidores de novo activas... será porque cobiçam o lugar de director do SU? está aí à porta o fim dos 3 anos de mandato da actual directora...

    ResponderEliminar
  69. Não sei se é oportuno e este o sitio mais indicado, mas vou passar a expor.
    Muito se tem tem falado acerca da Sra diretora o SU e do seu enfermeiro chefe.
    Trabalhei diretamente com ambos e tenho a dizer que a Sra Diretora é uma pessoa bastante competente e capaz. Se ela não é pacifica como alguem referiu num post anterior, possivelmente é porque não pactua com os interesses instalados, e tenho a dizer que são muitos.
    O sr enfermeiro chefe (atual chefe da urgência) para mim é um excelente gestor, um dominador da fisiopatologia neurocirurgica e bom conhecedor dos doentes. Realmente a dinamica do serviço quando ele lá estava era muito melhor.
    Atualmente temos um serviço desorganizado, onde a principal preocupação do enfermeiro chefe e da sua assistente especializada são as úlceras de pressão e retirar precocemente as sondas vesicais aos doentes, alguns deles ainda em estado de coma, tendo a unica enfermeira especialista embarcado na onda destes dois.
    O descontentamento e a frustração reina neste serviço (mais palavras para quê).
    Anda tudo ao contrário... e preparem-se porque o CHC vai ficar sem a Neurocirurgia da qual também incluo a neurotrauma.

    ResponderEliminar
  70. Eu vivo ali na zona mais baixa da cidade e vi como tudo se foi compondo. Não se dialogava nada e quando acontecia, era só para a fotografia! Muitos favoritismos e poucos escrúpulos. Funções delegadas aqui e ali baseadas em critérios discutíveis. Departamentos com pessoas muito agressivas,com pouca inteligência,sem formação intelectual e com um nível escolar muito baixo. Agora que sou uma pessoa adulta, olho para trás e pergunto-me como foi possível permitir tanta burrice. Será que mudou para melhor?
    Há alguns dias passei por uma profissional que chorava em silêncio. Perguntei-lhe se queria ajuda. Respondeu-me com um olhar envergonhado:- Obrigada, mas no final deste mês já termina o meu contrato e não volto para isto.Veja só bem... este armazém funciona com base em abusos e ninguém reage! Há aqui grosseiros que se julgam os donos disto e têm o descaramento de humilhar todas as pessoas que lá entram!
    Fiquei-me pelos meus botões e percebi que afinal continua tudo muito mal em Portugal.

    ResponderEliminar
  71. n deixamos de ser TUGAS.... e metade do q sabemos n estará bem relatado...

    ResponderEliminar

Seguidores