sexta-feira, 21 de agosto de 2009

BALANÇO DE RESISITIR

Há momentos em que é preciso fazer balanços e repensar o futuro. Daí, um balanço do "RESISTIR" que quero partilhar com que me lê.

Quais as consequências da existência deste Blogue desde o início de Abril?

A título pessoal sinto-me satisfeito com a possibilidade de comunicar e partilhar a minha visão da realidade e sobre ela expressar livremente (quase) a minha opinião. Só este facto permite-me dormir tranquilo e poupar dinheiro com uma eventual psicoterapia para controlar a ansiedade e o stress da vida profissional.

Para além deste enorme benefício que é a minha sanidade mental, há a vantagem para a colectividade que resulta dos conteúdos do blogue e das denúncias que eu (e outros) vamos fazendo das realidades que conhecemos, preocupantes na óptica da justiça, do respeito mútuo e do respeito pelo dinheiro dos contribuintes. Este aspecto é agora mais relevante com o aparecimento de denúncias novas e diferentes das que tenho vindo a fazer. A participação neste blogue de pessoas que são ou foram trabalhadores da instituição e que podem ajudar a desmascarar o que por lá acontece ou aconteceu é um apoio à minha luta e um sinal de que há um mau estar na instituição, que não pode continuar a ser ignorado.

A reacção do CA à existência deste blogue veio reforçar o interesse do mesmo. Enquanto o Provedor assumia perante todos que era um leitor regular, o Presidente do CA fingia desconhecer a sua existência. E digo fingia porque alguém teve que dar instruções internas para bloquear o seu acesso através do servidor da instituição. Este erro estratégico mostra a fragilidade daquela instância de poder: bloqueando o acesso admitem publicamente que o conhecem e em seguida, nada contestam do seu conteúdo. Como diz o povo "quem cala consente" eles vão aprovando tacitamente as ilações que uns e outros tiram da leitura destes textos. Refira-se a decepção do Provedor que agora tem de encontrar outros mecanismos para conhecer as notícias que aqui se publicam.

Quanto à vida na instituição também algumas correcções, como a remuneração das permanências dos clínicos gerais, que abandonou os critérios desajustados que tinha.

Fica-me um amargo de boca: algumas situações irregulares ou ilegais não foram corrigidas. Resta-me a satisfação de que a justiça tarda mas vem tal como as decisões da Inspecção Geral de Actividades em Saúde.

Ficou assim claro que não basta publicar uma artigo nas Beiras para dizer que o sistema de transporte de doentes existe, quando neste blogue se denuncia que não funciona. Não adianta falar do ALERT quando se denuncia neste blogue o flop que ele constitui (registos de actos técnicos que demoram mais a executar que os próprios actos??) e extrapolar que alguém está a lucrar com tudo isto. Que adianta publicitar a abertura do Concurso para os cuidados continuados quando aqui se denunciam as suas irregularidades e a incapacidade de iniciar os trabalhos nos tempos mais próximos.

Em resumo, OS SEGREDOS que era possível esconder nos períodos de maior obscurantismo, são hoje do domínio público e acabam por ser colocados a nu.
A transparência da actuação da Administrações passou a ser, depois do Watergate, uma necessidade. Esta é a minha comparticipação para ajudar aqueles que ainda escondem tudo o que fazem (como aprenderam no tempo da outra senhora). Será timidez, falta de confiança ou é mesmo maldade?

1 comentário:

  1. Espero que este balanço não seja uma despedida! Precisamos ainda de si, Dr.
    Um Abraço

    ResponderEliminar

Seguidores